adolescente

A causa ganhou destaque no último mês por conta da novela das 21h da Rede Globo, mas o assunto não pode sair de foco nunca

 

Dados do IPEA mostram que cerca de 70% dos abusos sexuais são contra crianças e adolescentes. Os números ainda mostram que aproximadamente de 24% dos agressores são os próprios pais e padrastos e 32% são pessoas próximas à vitima. Os números são alarmantes, e os traumas que geram nas crianças são complicadíssimos, podendo durar anos e anos, caso não tenha tratamento.

Recentemente, a novela ‘O Outro Lado do Paraíso’, da Rede Globo, abordou o tema e gerou uma grande polêmica em torno do assunto. No folhetim, a personagem Laura, vivida pela atriz Bella Piero, não se lembrava do que aconteceu em sua infância, e precisou recorrer a sessões de hipnose.  A psicanalista Dra. Taty Ades explicou que isso é comum de acontecer. “Isso acontece por uma reação do próprio mecanismo de defesa psíquico da pessoa. É como se o inconsciente guardasse essa informação para que ela não sofra, porém as sensações permanecem.”

Com esses números tão aterrorizantes é preciso discutir, e muito, o assunto para que providências possam ter tomadas a fim de diminuir os casos em todo o País. Na maioria das vezes a criança fica calada com medo, por isso, é  preciso ficar atento aos sinais que podem sinalizar que algo está errado e merece ser investigado. “A criança tende a se isolar, ter comportamentos agressivos ou  depressivos. É importante que os pais encaminhem rapidamente a uma terapia”, completa a psicanalista.

Ainda segundo a Dra. Taty Ades, o abuso não precisa necessariamente ter sexo com penetração. Carícias na criança, tocar nas partes íntimas  ou até mesmo troca de olhares e conversas maliciosas caracterizam abuso sexual, que  precisa ser denunciado.

A criança, na maioria das vezes, não fala para ninguém por medo, por se sentir culpada ou por ficar com vergonha. Porém, os traumas que são desencadeados podem tomar proporções enormes e atrapalhar a vida adulta. “A pessoa vítima de abuso sexual poderá ter depressão, transtornos de personalidade, ter baixa autoestima, excesso de libido ou ausência total dele. Por isso, o melhor tratamento é iniciar uma terapia para identificar a idade inicial do trauma e trabalhar questões de culpa , autoestima e sexualidade.

O disque 100 é um canal seguro para denunciar, o serviço funciona diariamente de 8h às 22h, inclusive nos finais de semana e feriados. E a identidade de quem denuncia é mantida em sigilo.  Os conselhos tutelares, delegacias e varas da infância e adolescência também recebem denúncias desse tipo.

 

Para mais informações sobre a Dra. Taty Ades acesse o site: https://tatyades.net

 Fonte: AMBCom

13 de março de 2018
imagem_release_1218975

ABUSO SEXUAL: Psicanalista ajuda a entender como é o tratamento das vítimas e explica alguns traumas

A causa ganhou destaque no último mês por conta da novela das 21h da Rede Globo, mas o assunto não pode sair de foco nunca   […]
30 de maio de 2017
selounicef

Municípios de 18 Estados já podem se inscrever no Selo UNICEF

Iniciativa estimula e reconhece melhorias em políticas direcionadas a crianças e adolescentes. As inscrições podem ser feitas pelo(a) prefeito(a) até 31 de julho   As inscrições […]
8 de maio de 2017
prato-de-salada-adolescencia-alimentacao-saudavel-800

Adolescência: os nutrientes necessários para acompanhar esta fase acelerada da vida

A adolescência é, sem dúvida, uma fase intensa da vida. Marcada por grandes transformações físicas e comportamentais, requer atenção especial, principalmente do ponto de vista nutricional, […]
7 de novembro de 2016
unnamed

Manual orienta sobre a Saúde das crianças e adolescentes na Era Digital

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) divulgou neste domingo (6) um manual de orientação para médicos, pais, educadores, crianças e adolescentes. O foco é a “Saúde de […]