Multivista

A forma como as pessoas se alimentam influencia na saúde que elas têm. E não estamos falando apenas de problemas como obesidade e sobrepeso, que têm aumentado por toda América Latina, como revela documento da Organização Pan-Americana da Saúde de que mais da metade da população dessa região está acima do peso. Também, são problemas como aumento de doenças cardiovasculares, diabetes e colesterol. A mudança nos padrões alimentares registrada nas últimas décadas revela um excesso na ingestão de produtos ultraprocessados, o que fez o consumo de pratos tradicionais e alimentos orgânicos diminuírem. Para mudar essa situação, é preciso mudar a maneira de se alimentar. É possível comer alimentos saudáveis, preparando pratos naturais, cozinhando de forma prática e, sobretudo, deixando a comida saborosa. Quem explica é a instrutora de Culinária Viva, Daniela Caribé.

Daniela Caribé

Daniela Caribé

“Essa comida comum que a gente compra em supermercado, que já foi processada, que já foi industrializada, que já está pronta no pacote, ela mascara o sabor dos alimentos e tem uma inserção de aditivos químicos que, na verdade, vão viciando um paladar. E quando você vem para uma alimentação saudável de alimentos frescos, você está com uma referência de paladar intoxicada mesmo. Quem está muito acostumado com uma comida industrializada, uma comida processada, precisa ir pouco a pouco redescobrindo os sabores reais, que são os sabores que a gente tem de uma diversidade infinita na natureza”, afirma Caribé.

Se você acha que é trabalhoso manter uma alimentação saudável, saiba que é tudo uma questão de se adequar ao tipo de preparo que a comida necessita. Saiba mais com algumas dicas da Daniela Caribé. “É diferente você chegar num mercado e comprar algo que já está pronto e você coloca no forno e come aquilo, do que você ir lá na feirinha de orgânicos e comprar do pequeno produtor, para ter uma alimentação diversa, mas totalmente possível. No meu dia à dia, o que eu faço é: em um primeiro momento eu já higienizo as folhas, deixo de molho com um pouco de limão, um pouco de iodo e depois lavo e seco na centrífuga e já guardo assim. Então eu tenho folhas para dois dias. As sementes todas eu deixo de molho antes de dormir. O arroz ou o feijão também já estão em um ponto de ser lavado e, depois, na hora do almoço [pronto] para ser cozidos, então é organização, é vontade, é escolha eu acho”.

O Ministério da Saúde tem adotado medidas para melhorar a qualidade dos alimentos vendidos nos mercados, como a redução do sódio nos produtos alimentícios, que em quatro anos já possibilitou a retirada de mais de 14 toneladas de sódio de diversos produtos. Para algumas dicas, você pode consultar o Guia Alimentar para a População Brasileira que é gratuito e pode ser encontrado no site do Ministério da Saúde: www.saude.gov.br.

Reportagem, Janary Damacena.

Fonte: ARB – Agência do Rádio Brasileiro

 

23 de março de 2017
222wee

É possível ter saúde e sabor no mesmo prato

A forma como as pessoas se alimentam influencia na saúde que elas têm. E não estamos falando apenas de problemas como obesidade e sobrepeso, que têm […]
22 de março de 2017
unnamed (1)

II Simpósio Internacional de Qualidade e Segurança do Paciente acontece em Abril

Grandes líderes globais de segurança do paciente vêm ao Brasil discutir erro humano, gestão de risco e qualidade na saúde O II Simpósio Internacional de Qualidade […]
22 de março de 2017
classroom-1189988_1280

Reflexões e uso da tecnologia ou metodologia

*Ana Regina Caminha Braga O repensar da atuação do professor em sala de aula, a participação eficaz do aluno e a aprendizagem significativa da turma atualmente […]
21 de março de 2017
sindorme-de-down

Dia Mundial da Síndrome de Down: será que a ciência avançou?

Esta terça-feira, 21 de março, é o Dia Mundial da Síndrome de Down, uma das doenças genéticas mais comuns. As pesquisas científicas vêm registrando progressos, mesmo […]