Multivista

Dr. Antônio Carlos consultando a pequena Giovanna.

Dr. Antônio Carlos examinando a pequena Giovanna.

Quem tem filho pequeno provavelmente já se deparou com a seguinte situação: a criança apresenta sintomas como perda de apetite e de peso, diarreia, vômito, dores abdominais e fraqueza. Neste caso, então, provavelmente, esses pais também tenham esbarrado na dificuldade de encontrar serviço médico especializado.

Foi o que aconteceu com Natália Correia Oliveira. E, para surpresa dessa mãe, mesmo sendo beneficiária de um plano de saúde, foi preciso recorrer ao atendimento particular após uma longa peregrinação em busca de atendimento médico pediátrico através do plano ou mesmo do Sistema Único de Saúde – SUS.

Em Jequié, são poucas as clínicas especializadas em pediatria. Dentre as principais, algumas jamais foram conveniadas ao SUS e as restantes deixaram de prestar atendimento público há muito tempo. O problema é que, nos últimos anos, a maioria das clínicas decidiu suspender também o atendimento de pacientes conveniados a planos de saúde. Neste cenário, o atendimento particular, muitas vezes, é a única alternativa.

De acordo com médicos e proprietários dessas clínicas, o maior entrave para a ampliação do atendimento público ou por meio de convênios é o repasse de valores do SUS e dos planos de saúde que, segundo eles, não cobrem os custos operacionais das clínicas e nem do serviço prestado pelo profissional de saúde. Para se ter ideia, o SUS repassa R$ 10 pela “primeira consulta de pediatria ao recém-nascido”, um dos procedimentos previstos no Sistema de Gerenciamento da Tabela de Procedimentos , Medicamentos e OPM do SUS. Os planos de saúde costumam ser mais generosos, mas os valores repassados por consulta que costumam variar entre R$ 40 e R$ 60 também não compensam os custos de manutenção das clínicas.

“A burocracia exigida pelos planos de saúde para a realização de atendimentos ao cliente e as exigências para que o médico esteja habilitado para atender aos conveniados são cada vez maiores. Muitas vezes, também há cortes nos atendimentos aos pacientes por algum atraso no pagamento do convênio ou pela pendência de alguma documentação por parte do profissional de saúde. Além disso, também são frequentes os atrasos no repasse do pagamento dos atendimentos”, esclarece o pediatra Antônio Carlos que, diante das dificuldades, decidiu prestar apenas atendimento particular aos seus pacientes.

O pediatra anotou todo o histórico dos sintomas da criança, fez a avaliação clínica, auscultou, examinou a garganta, os olhos e a parte abdominal, mediu e pesou.

O pediatra anotou todo o histórico dos sintomas da criança, fez a avaliação clínica, auscultou, examinou a garganta, os olhos e a parte abdominal, mediu e pesou.

Outro agravante nesta área é a debandada de profissionais para os grandes centros, onde são oferecidos melhores condições de trabalho e reconhecimento profissional. Com isso, quem depende do atendimento público sente ainda mais dificuldade para conseguir atendimento. Além da redução no número de profissionais, a falta de espaços adequados para o atendimento às crianças e de medicação e equipamentos para procedimentos na rede pública de saúde reduz também a qualidade no atendimento, e problemas simples podem se transformar em algo mais sério pela falta do diagnóstico e tratamento adequados.

Mesmo contrariada em, mesmo mantendo em dia o pagamento do plano de saúde, precisar recorrer ao atendimento particular, Natália se sentiu aliviada após a filha ser atendida pelo Dr. Antônio Carlos. “Ao ter uma criança adoentada dentro de casa, senti a necessidade de investigar o real motivo de todos os sintomas que ela apresentava. O médico foi muito atento e minucioso. Ele anotou todo o histórico dos sintomas da criança, fez a avaliação clínica, auscultou, examinou a garganta, os olhos e a parte abdominal, mediu e pesou. Nada foi constatado, mesmo assim, o médico passou exames laboratoriais de sangue, urina e fezes e não descartou a possibilidade de realizar exames mais elaborados, como os de imagem. Agora eu posso ficar mais tranquila”.

 

1 de abril de 2016
pediatra3

Preciso de um pediatra. E agora?

Quem tem filho pequeno provavelmente já se deparou com a seguinte situação: a criança apresenta sintomas como perda de apetite e de peso, diarreia, vômito, dores […]
31 de março de 2016
24131022144291

Ministério da Saúde garante: há medicação suficiente para o tratamento da Influenza A/H1N1 no Brasil

  É sempre assim: começa com tosse e febre alta podendo evoluir para dor de cabeça e no corpo, garganta inflamada, falta de ar, cansaço, diarreia […]
29 de março de 2016
gripeh1n1

Vacinação contra Influenza na Bahia inicia no fim de Abril

H1N1 preocupa e população tem pressa por vacina Além do alerta máximo em relação à tríplice epidemia (Dengue, Chikungunya e Zika) transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti, […]
23 de março de 2016

Música é vida, é saúde!