Desertificação no Nordeste ameaça produção agrícola

materiabulling
5 dicas para ajudar pais e professores a combaterem o bullying
2 de maio de 2017
mangles_4
Brasil perde 20% de seus mangues em 15 anos, mas Mata Atlântica começa a regenerar
3 de maio de 2017

Desertificação no Nordeste ameaça produção agrícola

drought land

Resultado de ações humanas, a desertificação é um processo de degradação do meio ambiente que torna os solos inférteis e improdutivos. Foto: Fotolia

O sertão, cantado em verso e prosa Brasil afora, celebrou, no dia 28 de Abril, o Dia Nacional da Caatinga – sua vegetação mais característica e único bioma exclusivamente nacional. No entanto, é de lá que também vem o alerta: as terras do Nordeste estão enfrentando um novo fenômeno chamado desertificação.

Resultado de ações humanas, a desertificação é um processo de degradação do meio ambiente que torna os solos inférteis e improdutivos. Recentemente o Programa de Ação Estadual de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca no Estado da Paraíba (PAE-PB) anunciou que 93,7% do território do estado está em processo de desertificação, sendo que 58% em nível alto de degradação.

“Esse dado é alarmante e exige providências para que não se agrave. São necessárias ações assertivas em parceria com a sociedade e governos. A conservação da biodiversidade, incluindo o solo, é fundamental para a economia do país e para a sobrevivência humana. A criação e implementação de unidades de conservação, para proteger as áreas remanescentes de vegetação natural e auxiliar na regulação do clima, são essenciais para mudar esse cenário”, comenta Emerson Oliveira, coordenador de Ciência e Informação da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza.

A proteção de todos os biomas brasileiros tem sido o foco da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza ao longo de seus 27 anos de atuação. Por meio do Programa de Apoio a Ações de Conservação, a Fundação participa da busca pela manutenção do solo, água, fauna e flora nacionais protegidos, evitando a sua degradação. No início do ano a organização divulgou a lista das novas iniciativas de conservação da natureza que serão apoiadas em 2017. No total, R$ 1,5 milhão estão sendo investidos em 18 novas iniciativas, metade delas com atuação na Caatinga.

Projetos na Caatinga = preservação da vida no Nordeste

Na Caatinga, especificamente, projetos apoiados pela Fundação como o de conservação do tatu-bola, no Piauí, e da arara-azul-de-lear, na Bahia, que visa a transformação da Estação Biológica de Canudos em Reserva Particular do Patrimônio Natural, estão em curso para evitar o avanço de processos de degradação do bioma.

Ações de proteção da fauna, flora e de nascentes na Reserva Particular do Patrimônio Natural Serra das Almas e a proteção da área de ocorrência do soldadinho-­do­-araripe para conservação da espécie, que está criticamente em perigo de extinção, ambos no Ceará, também contribuem para a conservação dos restritos recursos hídricos e florestais no estado.

Como ocorre a desertificação

O processo de desertificação é lento e tem início com o desmatamento de uma área que pode ser ocupada com pastos e pecuária extensiva, incompatíveis com a capacidade de uso do solo, e depois abandonada. Com isso, o solo fica mais exposto ao sol, água e vento e, como consequência, fica mais fragilizado aos agentes erosivos, perdendo sua capacidade de absorção de água e nutrientes, desencadeando um maior escoamento superficial. A última etapa é a perda da fertilidade e da capacidade produtiva do solo. E é do cultivo dos solos que, segundo o IBGE, mantêm-se economicamente 16 milhões de pessoas em todo o Brasil.

unnamed (1)Sobre a Fundação Grupo Boticário: a Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza é uma organização sem fins lucrativos cuja missão é promover e realizar ações de conservação da natureza. Criada em 1990 por iniciativa do fundador de O Boticário, Miguel Krigsner, a atuação da Fundação Grupo Boticário é nacional e suas ações incluem proteção de áreas naturais, apoio a projetos de outras instituições e disseminação de conhecimento. Desde a sua criação, a Fundação Grupo Boticário já apoiou 1.510 projetos de 496 instituições em todo o Brasil. A instituição mantém duas reservas naturais, a Reserva Natural Salto Morato, na Mata Atlântica; e a Reserva Natural Serra do Tombador, no Cerrado, os dois biomas mais ameaçados do país.  Outra iniciativa é um projeto pioneiro de pagamento por serviços ambientais em regiões de manancial, o Oásis. Na internet: www.fundacaogrupoboticario.org.br, www.twitter.com/fund_boticario e www.facebook.com/fundacaogrupoboticario.

 

Fonte: PG1 Serviços de Imagem Empresarial

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *