Dormir mal é um problema de saúde pública, diz especialista

Dumbbells with an apple and measuring type
Os três pilares para a longevidade, saúde e equilíbrio
3 de fevereiro de 2017
Woman comparing products with a tablet comptuer in a supermarket
Mudança no rótulo dos alimentos com lactose só ocorrerá em 2 anos
6 de fevereiro de 2017

Dormir mal é um problema de saúde pública, diz especialista

images

Ao passar do tempo, o ser humano vai dormindo cada vez menos. O recém-nascido, por exemplo, contabiliza 18-20 horas de sono por dia. Na idade adulta, dorme-se por volta de 7-8 horas. Na terceira idade, há uma desregulação do sono. O idoso passa a dormir mais cedo e menos (5-6 horas) e desperta mais cedo. “A explicação biológica para essa mudança vem, talvez, de uma questão protetiva dos nossos ancestrais pela busca da sobrevivência. O ciclo sono-vigília era muito importante há 100 anos quando não se tinha luz elétrica. Era fundamental estar protegido à noite. Então, os idosos que tinham essa capacidade de dormir menos e se proteger no momento mais vulnerável foram os que desenvolveram mais”, disse o neurologista e especialista em Sono Fernando Morgadinho, que será o entrevistado do Ponto a Ponto inédito deste sábado (4), às 23h, na BandNewsTV, com a jornalista Mônica Bergamo e o sociólogo Antonio Lavareda. 

Dr. Fernando Morgadinho

Dr. Fernando Morgadinho

Fernando Morgadinho, que participa do time de profissionais do Instituto do Sono, em São Paulo, diz que os descendentes irão se adaptar à nova realidade do sono, “mas será um processo lento”. Segundo ele, “as gerações mais novas vão sofrer muito mais do que a nossa geração. A gente vai dormir cada vez pior”. Os distúrbios do sono podem causar diversas doenças, porque quem dorme bem tem menos chances de desenvolver problemas relacionados à obesidade, diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares. O bom sono pode ajudar no fortalecimento da memória e melhorar o desempenho físico, no trabalho e até o humor. “Por isso que dormir mal é um problema de saúde pública”, argumenta.

“Na nossa sociedade, infelizmente, o sono não é valorizado como deveria. Os exames de sono não são disponibilizados no Sistema Único de Saúde”. Ao fim, Morgadinho apresenta algumas dicas de como ter um bom sono à noite. “Primeiro, ter uma vida saudável, é muito importante exercício físico. Devemos nos expor à luminosidade pela manhã, não se expor depois das 10 da noite, evitar usar álcool antes de dormir. Cafeína só até às 17h. E lembrar que o quarto deve ser usado para duas coisas: ou para namorar ou para dormir. Televisão, nunca!”, lembra. 

A entrevista do Ponto a Ponto ganha reprise no domingo (5), às 17h.

Fonte: Ponto a ponto: Milton Couto Guimarães

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *